Revista virtual de arte e cultura

Home / Interrogatório  / Interrogando Eleutherio Netto

Interrogando Eleutherio Netto

Entrevistamos Eleutherio Netto, artista paranaense que abre hoje a exposição OUTROuniversoPOSSÍVEL na Diretriz Arte Contemporânea.

“Eu procuro a felicidade, paz e harmonia, e é através da arte que consigo chegar a este equilíbrio.”

  • Como, onde, quando e por quê’.

 

Nasci em Ribeirão do Pinhal, minha mãe Professora dotada de talento artístico e meu pai Agropecuarista. Crescendo neste meio calmo do interior, trago um gosto muito grande pela natureza e a ação do tempo.

Saí de casa com 18 anos pra fazer minha primeira faculdade de Desenho Industrial em Londrina, depois fui pra São Paulo, onde permaneci 3 anos trabalhando numa agência de publicidade. Fui pra Itália fazer alguns cursos rápidos e depois de 6 meses cheguei em Curitiba, onde estou há quase 20 anos. Aqui me formei em Pintura na Belas Artes e  me entreguei a este universo por completo.

  • Uma frase atribuída a Jean-Paul Sartre diz: “primeiro eu procuro, depois eu acho”. Você sabe o que procura?

 

Eu procuro a felicidade, paz e harmonia, e é através da arte que consigo chegar a este equilíbrio.

  • Você costuma enxergar texturas em tudo dentro do seu dia-a-dia?

 

Sim, é meio automático, meus olhos estão sempre atentos e param quando vejo algo ligado ao meu trabalho.

 

  • Conte-nos a respeito da sua série ‘Natureza Viva’.

 

É uma série de fotografias que tem como objetivo retratar a força da natureza colorindo através do tempo o que o homem constrói.

  • Seu currículo nos conta que você teve períodos de estudo na Itália, dentro de diversas áreas. O que acontece com um paranaense quando ele vai estudar na Itália, e com que cabeça ele volta para o estado e para Curitiba?

 

É muito estimulante uma viagem de estudos, principalmente na Itália, um país riquíssimo em todas as áreas das artes. Voltei mais seguro e confiante nas escolhas que faço, tanto na área profissional quanto na pessoal.

  • Conte um pouco sobre a sua produção em diferentes materiais. Para você, o que a escultura, a pintura e a fotografia têm de diferentes entre si, e o que têm de igual?

 

O processo de pesquisa é igual pra todos, a produção é diferente.  O resultado  pode ser igual ou similar. Tenho alguns trabalhos de fotografias, pinturas e decalques que se  confundem numa primeira olhada, depois é que você, com atenção, consegue ver que são diferentes. Já as esculturas se diferenciam pela tridimensionalidade.

  • Fale sobre a sua queda, com câmera fotográfica e tudo, dentro de um canal em Veneza.

 

Estava em Veneza para registrar as águas através da fotografia e acabei caindo num dos canais com a máquina fotográfica quando buscava o melhor ângulo para retratar as primeiras luzes do dia sobre as águas. Refletindo sobre este acidente decidi que, ao invés de fotografar a água, eu faria pinturas utilizando-a como base, além das tintas e pigmentos naturais. Do acidente nasceu então uma série de pinturas que chamo de Canais, numa clara referência a Veneza, mas principalmente como homenagem à fotografia , que é uma entre tantos outros canais que utilizo como expressão de arte.

  • Quais são os seus interesses na pesquisa dentro da área de Artes Visuais?

 

Minha investigação se concentra na captura de objetos comuns e no resultado inusitado a partir de elementos naturais.

  • Quais são os seus interesses na pesquisa dentro da área de Artes Visuais?

 

Minha investigação se concentra na captura de objetos comuns e no resultado inusitado a partir de elementos naturais.

  • Uma pergunta fácil agora: você é apegado às peças que vende?

 

Já fui, e muito, hoje não mais.

  • Maiores influências, heróis?

 

Influências são muitas, o tempo todo, começando de onde nasci. Tenho também adoração por muitos artistas de diferentes épocas, mas não os vejo como heróis.

  • Em que você está trabalhando agora? Quais são os projetos futuros?

 

Acabei de montar a exposição pra Galeria Diretriz Arte Contemporânea que se chama OUTROuniversoPOSSÍVEL e agora pretendo continuar pesquisando novos suportes e me aprofundar ainda mais na exploração de recursos naturais.

 

  • Conte um pouco sobre a sua nova exposição “OUTROuniversoPOSSÍVEL”, na Diretriz Arte Contemporânea, em Curitiba. Quais as expectativas para essa mostra?

 

Nesta exposição tento mostrar as possibilidades de sobrevida de materiais descartados, como o livro, madeira, metais e outros, dando uma outra leitura a estes materiais, ou seja, um OUTROuniversoPOSSÍVEL.

Sobre a exposição:

O artista plástico Eleutherio Netto inaugura, nesta terça-feira (13/set), sua primeira exposição individual na galeria curitibana Diretriz Arte Contemporânea (piso L3 do Pátio Batel). Com curadoria de Julie Belfer, a mostra Outrouniversopossível vai até o dia 13 de novembro e traz um novo rumo no trajeto do artista.

MECENAS: Zuleika Bisacchi Galeria de Arte

          Zuleika Bisacchi Galeria de Arte é um dos mais interessantes espaços da arte contemporânea em Curitiba, e ela é a nossa primeira Mecenas, o que possibilita que tenhamos diversos papos com nomes emergentes da arte na cidade.

 

          Consideramos que o importante seja discutir, expandindo e provocando ideias sobre como vemos a arte em nosso contexto, e isso se torna mais produtivo com a sua leitura e com esse tipo de apoio.

 

          Curta AQUI a página da galeria e fique atento às novas exposições!

 

vinicius.rnott@gmail.com

Doutorando em Estudos Literários pela UFPR. Tradutor das Argonáuticas de Apolônio de Rodes e estudioso da literatura grega do período helenístico. Escritor. Autor do livro de contos 'Razões do agir de um bicho humano', publicado pela Confraria do Vento em 2015. Fotógrafo e ilustrador eventual. Nunca um entusiasta.

Review overview
NO COMMENTS

POST A COMMENT